segunda-feira, 23 de junho de 2008

colorindo

Eu até curto uma casa cheia.
Imagino que todo mundo curta, aquela agitação, aquela vida rolando solta, barulhenta e tal.
Casa cheia é rosa, rosa shock.

Mas não consigo evitar sentir falta de estar sozinha, pelo menos um pouco, pelo menos um instantezinho sem ninguém perguntar o que você tem, se você não vai almoçar, se você não pode fazer um favorzinho..
Não consigo evitar sentir mais que um nervosinho vendo meus livros serem empurrados pra dar lugar a imagens de santos , servindo de apoio pra muitos papéis e envolopes que eu não coloquei lá.
Não consigo evitar de me sentir invadida com toda essa gente repleta de boas intenções e carinho que eu nunca vi na vida olhando minhas fotos, meus desenhos, estando tão ridiculamente próximos das minhas roupas e daqueles cadernos velhos preciosamente guardados em cima do armário.
Eu estou inteira ali, completamente desprotegida, em branco, a mercê das cores dos outros.

Não consigo evitar tentar me esconder um pouco disso tudo.

E quando começo a sair só para não estar ali, quando começo a me perceber tão pouco prestativa, é aí que surge a culpa, esbelta e bem-vestida, fazendo a paola pra mim. A culpa é bordô, da cor da estação, como não podia deixar de ser.

E preenchida pela culpa, me visto com um sorriso falso, acordo mais cedo, faço o jantar, falo baixo.. fico cinza.

Fico cinza.

2 comentários:

  1. sei como é, tb fico cinza.
    gostei desse texto

    ResponderExcluir
  2. eu fico arco-iris
    jgkjgjhp´jhokeóhkéhkéhkéhkhe!! XD

    ResponderExcluir

I like it rough.
Evitem delicadezas.